Ilustração: Frédérique Vayssières

Biblioteca da Escola Básica e Secundária

Texto informativo

Glossário

Cartoons

Desenho humorístico, acompanhado ou não de legenda, de carácter extremamente crítico, retratando de uma forma bastante sintetizada algo que envolve o dia-a-dia de uma sociedade.

Charges

Nome dado, no Brasil, aos cartoons políticos ou sobre notícias atuais.

Sponge Bob

Desenho animado criado pelo animador e biólogo marinho Stephen Hillenburg. Com grandes audiências, é a série de maior sucesso da história da Nickelodeon.

O miúdo que faz cartoons para adultos

Como qualquer rapaz brasileiro de 14 anos, João Pedro Montanaro é fã de futebol e videojogos. Mas também gosta de ler jornais e fazer caricaturas de políticos: é o mais jovem cartoonista profissional do mundo e até já lançou um livro.

Os gémeos eram capazes de passar horas a ver o Sponge Bob na televisão. João Pedro, que nasceu um minuto antes do irmão, também gostava de desenhar e um dia começou a copiar para o papel, em formato de «quadradinhos», os seus desenhos animados preferidos. O pai nunca tinha ouvido falar da famosa esponja amarela e ficou impressionado com o jeito do filho para inventar histórias engraçadas de banda desenhada. Quando, meses mais tarde, descobriu que eram só imitações, não se zangou. Pelo contrário: incentivou-o a continuar a desenhar, desde que encontrasse o seu próprio estilo. Mostrou-lhe livros de cartoonistas brasileiros que o miúdo mal percebia. João Pedro Monatanaro tinha apenas 7 anos.

Hoje tem 14 e é o cartoonista responsável pela página editorial de sábado do diário brasileiro Folha de São Paulo. Os seus charges surpreendem os membros do Governo brasileiro, que têm dificuldade em acreditar que os desenhos sarcásticos de Lula, Dilma Rousseff, Khadafi, Obama e governantes de todo o mundo sejam feitos por um aluno do 9.º ano.

Conhecido por João M. (assina assim para «o negócio não ficar muito extenso»), o adolescente alto e magro que gosta de futebol, videojogos e guitarra, passa duas horas por dia a ler jornais, revistas e blogues. «De manhã estudo, à tarde vou à escola e à noite leio e desenho», resume.

É num pequeno estúdio ao lado da cozinha de casa dos pais que João trabalha, já há uns anos: começou por desenhar para um jornal regional quinzenal e, aos 12 anos, foi convidado para fazer as ilustrações da Folhinha (edição infantil do jornal onde agora trabalha).

Nunca teve aulas de desenho nem pretende tirar um curso superior ligado às artes. Por enquanto, diz estar cansado de ser «o menino prodígio». «Apesar de ser óbvio, não gosto que falem tanto da minha idade. Mas vou ter que lidar com isso por um tempo ainda, né?»

MOURA, Vera - O miúdo faz cartoons para adultos. Sábado. N.º 366 (2011), p. 115.