Biblioteca da Escola Básica e Secundária

Texto informativo

Glossário

Os Jogos da Fome

Livro da autoria de Suzanne Collins. O primeiro da trilogia com o mesmo nome foi originalmente publicado nos EUA, em setembro de 2008.

Paternalista

Que tem uma atitude demasiado protetora.

Perentório

Que tem a palavra final; determinante; decisivo.

Saga Twillight

Série de histórias de fantasia sobre vampiros escrita por Stephenie Meyer.

Teseu

Foi, na mitologia grega, um grande herói ateniense. No decurso da sua vida, deu sempre provas de um valor extraordinário, seguindo o exemplo e os caminhos percorridos por Hércules. Derrubou e aniquilou muitos monstros, entre eles o famigerado Minotauro.

.

# Quiz

Os Jogos da Fome, de Suzanne Collins

«No preciso momento em que o relógio da cidade bate as duas horas, o governador sobe ao pódio e começa a ler. É a mesma coisa todos os anos. Ele conta a história de Panem, o país que surgiu das cinzas de um lugar outrora chamado América do Norte. Enumera os desastres, as secas, as tempestades, os fogos, os mares invasores que submergiram grande parte da terra, a guerra brutal pelos poucos alimentos que restavam. O resultado foi Panem, um Capitólio resplandecente rodeado de treze distritos, que trouxe a paz e a prosperidade aos seus cidadãos. Depois veio a Idade das Trevas, a insurreição dos distritos contra o Capitólio. Doze foram vencidos, o décimo terceiro obliterado. O Tratado da Traição ofereceu-nos novas leis para garantir a paz e, como lembrança anual de que a Idade das Trevas não se devia repetir, deu-nos os Jogos da Fome.» Os Jogos da Fome – Livro I

Após o fim do mundo como o conhecemos, numa nova nação institui-se uma competição anual ao estilo de um reality show, de assistência obrigatória, no qual uma rapariga e um rapaz, dos 12 aos 18 anos, de cada um dos 12 distritos, são escolhidos aleatoriamente e forçados a lutar até à morte. Só um desses 24 tributos, como são apelidados, poderá sobreviver.

A aventura apresenta-se-nos pelos olhos de Katniss Everdeen, uma rapariga de 16 anos que mora no Distrito 12, com a mãe e a irmã, Primrose, de 12 anos. É ela quem sustenta a família, caçando ilegalmente na floresta, com o seu melhor amigo, Gale. No dia da ceifa, a escolhida para entrar nos Jogos da Fome é Prim, mas Katniss, para a proteger, voluntaria-se no seu lugar.

Primeiro romance de uma trilogia, da autoria de Suzanne Collins, foi originariamente publicado em setembro de 2008 e, nesse ano, seria considerado o melhor livro de ficção juvenil pelo New York Times. Esteve mais de cem semanas na lista dos mais vendidos. Desde então, foi traduzido para 30 idiomas diferentes.

A adaptação para filme era esperada: com realização de Gary Ross, Os Jogos da Fome superou todas as expetativas logo na primeira semana: 155 milhões de dólares (€116 milhões) de receitas, bem mais do que qualquer um dos títulos da saga Twillight. Foi considerado excelente pela Cinemascore, a mais cotada das agências de análise do mercado cinematográfico. Esteve, igualmente, no topo das preferências dos espetadores portugueses. Inicialmente classificado para maiores de 16 anos, Os Jogos da Fome acabou por conseguir baixar esse patamar para os 12 anos. A discussão em fóruns de pais e educadores não tardou: será que não é violência a mais para cabeças tão novas?

«Levar os miúdos dos nossos distritos, obrigando-os a matar-se uns aos outros enquanto nós assistimos – é a maneira de o Capitólio nos lembrar de que estamos completamente à sua mercê. Que temos poucas probabilidades de sobreviver a outra rebelião. Sejam quais forem as palavras que utilizem, a verdadeira mensagem é clara: «Vejam como levamos os vossos filhos e os sacrificamos e não há nada que vocês possam fazer. Se levantarem um dedo sequer, destruiremos toda a gente. Exatamente como fizemos no Distrito 13».

Suzanne Collins defende-se: a ideia para The Hunger Games, no original, surgiu-lhe enquanto fazia zapping nos canais de televisão. Num, observou cenas de pessoas a competir num reality show. Noutro, viu imagens da guerra no Iraque. «Umas e outras começaram a confundir-se de uma forma muito inquietante», disse à Publishers Weekly. Inspirou-se também no mito de Teseu – Katniss será uma versão futurista do herói da mitologia grega –, para criar a nação de Panem. Face às críticas mais paternalistas, Collins é perentória: «Trata-se, acima de tudo, de um manifesto antiviolência.»

CAMPOS, Teresa - Mais uma loucura «teen». Visão. N.º 996 (2012), p. 80-81.